Um funeral para o carvão

por Rodrigo Gerhardt (Greenpeace) | 29 de Agosto de 2018.

Protestamos contra o leilão de energia A-6, que pode contratar esse poluente para assombrar o futuro do nosso país.

Nossos ativistas enfrentaram uma manhã fria e ainda escura do inverno gaúcho para realizar o enterro simbólico do carvão e mandar uma mensagem clara ao governo brasileiro: queremos o fim da fonte de energia mais poluente do mundo até 2030. O carvão, que moveu a Revolução Industrial e está diretamente ligado ao aquecimento global, deve ficar aonde ele pertence: no solo e no passado.

Nossos governantes, porém, parecem personagens de novela que, congelados no tempo, acordaram do século 19 sem a ideia do que sejam energias limpas e renováveis, e insistem em investir no atraso. No próximo leilão de energia que deve ser realizado nesta sexta-feira (31), dos 59 GW cadastrados para entrar em operação até 2024, metade (29,5 GW) é de origem fóssil. Além de térmicas a gás, incluem também duas novas usinas a carvão no sul do país, uma no Rio Grande do Sul e outra em Santa Catarina.

Sim, são exatamente as térmicas que, quando ligadas, elevam a tarifa de energia para a bandeira vermelha, muito mais cara, que você paga na sua conta de luz, para não falar dos vários impactos que elas trazem para o meio ambiente, para a saúde das pessoas e, no caso das movidas à carvão, até para a crise hídrica, por serem grandes consumidoras de água.

“Chega de energia suja!”

Por isso, com um caixão, uma lápide e a mensagem “Chega de energia suja”, nossos ativistas realizaram um protesto pacífico em frente à termelétrica Presidente Médici, no município de Candiota, a 400 km de Porto Alegre. Candiota foi escolhida como exemplo, pois concentra a maior reserva de carvão mineral no país (a hulha, de péssima qualidade) e o maior parque de usinas térmicas, além de ser a região onde será instalada uma das novas usinas com possibilidade de contratação no leilão, a UTE Ouro Negro.

“O governo insiste em permitir o crescimento do número desse tipo de usina no país enquanto observamos um movimento global no sentido contrário. Vários países dependentes do carvão, como França, Reino Unido, Canadá e México, já assumiram compromissos de abandonar essa fonte poluente até 2030”, afirma Marcelo Laterman, nosso especialista em Energia, que participou do protesto.

Segundo ele, este é um período factível para que possamos fazer uma transição realista em direção às fontes renováveis. Por isso, quereremos a mesma coisa. E a não contratação de novas térmicas a carvão é apenas o primeiro passo para que o Brasil também possa dar fim a todas as sua usinas em operação também até 2030. “No entanto, a contratação de uma nova usina agora pode garantir que ela funcione pelo menos até 2049”, afirma Laterman.

O carvão representa hoje apenas 2,3% da matriz energética brasileira, mas é responsável por 20% das emissões de CO2. É uma tecnologia ultrapassada de geração de energia que em nada contribui para o desenvolvimento de um país mais moderno, limpo e seguro. Se você também quer um Brasil melhor, ajude-nos a fortalecer esse movimento para que o governo assuma o compromisso pelo fim do carvão até 2030. Compartilhe este texto.

Vamos deixar o carvão no passado para que ele não assombre o nosso futuro.

Notícia publicada originalmente no site do Greenpeace Brasil.