UFRJ inaugura estacionamento com 414 painéis solares fotovoltaicos

FacebookTwitterGoogle+Share

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) evidenciando o que poderia ser tomado pelo Governo Federal como um verdadeiro nicho para a expansão da energia solar fotovoltaica no Brasil, considerando a enorme quantidade de veículos no país e o enorme potencial de geração de energia elétrica a partir do sol. Confira a notícia abaixo.

Maior estacionamento solar em geração distribuída do Brasil

Fonte da Foto: GGN Energia.

Fonte da Foto: GGN Energia.

Nesta terça-feira, dia 18 de agosto, a UFRJ dará um grande passo em busca da utilização mais eficiente de recursos naturais. O campus da Cidade Universitária passará a abrigar o maior estacionamento solar do país em geração distribuída, localizado no prédio anexo do Centro de Tecnologia. O espaço, de 651,64 metros quadrados, com capacidade para 65 carros, alocará 414 painéis solares fotovoltaicos capazes de gerar 140 mil kWh por ano. Essa energia é suficiente para abastecer até 70 residências com consumo médio de 167 kWh por mês.

A cerimônia de lançamento será, às 16 horas, no Laboratório de Ensaios Não Destrutivos, Corrosão e Soldagem (LNDC) da Coppe/UFRJ, que fica ao lado da instalação dos painéis. Participarão do evento o reitor da UFRJ, Roberto Leher; a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão; o Secretário de Fazenda do estado do Rio de Janeiro, Julio Bueno; o presidente da Light, Paulo Roberto Ribeiro; o diretor da Coppe, Edson Watanabe; e o diretor de Relações Institucionais da Coppe, Luiz Pinguelli Rosa, entre outras autoridades.

O projeto, cujo valor do investimento é de R$ 1,6 milhão, faz parte do programa de energia do Fundo Verde de Desenvolvimento e Energia para a Cidade Universitária da UFRJ, iniciativa que utiliza o recurso do imposto ICMS que é cobrado na conta de luz da universidade para implantar projetos sustentáveis no campus da Cidade Universitária. Conta com apoio do programa Rio Capital da Energia, do governo do estado.

Segundo a professora da Coppe Suzana Kahn Ribeiro, coordenadora executiva do Fundo Verde, países tropicais têm um grande potencial para projetos desse tipo:

– Por conta de nosso enorme potencial hidrelétrico, tínhamos uma posição confortável em termos de energia renovável. Só que esse potencial não é mais suficiente para o atendimento da demanda de energia elétrica no Brasil. Tanto hidrelétricas quanto termoelétricas exercem forte impacto no meio ambiente e enfrentam muitas limitações, como regiões com grande biodiversidade e, ainda, necessidade de amplo sistema de transmissão para grandes centros. Assim, a energia eólica e a solar são as novas fronteiras de fontes renováveis. Com as iniciativas do Fundo Verde, pretendemos demonstrar a viabilidade e eficácia do uso da energia solar.

A Coppe contribuiu com a concepção técnica do projeto, realizada por pesquisadores do Programa de Engenharia Elétrica. A energia proveniente dos painéis solares será inserida na rede da Light, concessionária de energia elétrica, gerando desconto na conta de luz da universidade. Dessa forma, além de inserir na rede da Light energia limpa e renovável, a iniciativa ainda pretende reduzir o valor dos gastos na conta de luz.

O uso da energia solar também resulta em benefício para reduzir o aquecimento global. Com os painéis, aproximadamente 70 toneladas de dióxido de carbono (CO2) deixarão de ser emitidas por ano na atmosfera.

De acordo com o diretor da Coppe/UFRJ, professor Edson Watanabe, que participou da elaboração do projeto básico, este projeto faz parte do esforço praticamente mundial para a obtenção de energias mais verde e, portanto, sustentáveis. O professor acrescenta que este tipo de geração ajuda a economizar água das usinas hidrelétrica e serão fundamentais para o país continuar a estar entre aqueles que geram energia elétrica de forma menos poluente.

Suzana destaca que o meio ambiente não conflita com o desenvolvimento de uma região e é possível progredir por meio de ações sustentáveis e inovar ao aplicar e fazer bom uso dos impostos recolhidos para medidas objetivas, com eficácia de fácil comprovação. Para Suzana, o estacionamento solar é um dos projetos desenvolvidos pelo Fundo Verde que podem contribuir para que outras cidades comecem a discutir novas práticas de sustentabilidade.

– As cidades brasileiras têm grandes espaços que poderiam ser cobertos com painéis para gerar energia. Estacionamentos são um bom exemplo, pois podem gerar energia ao mesmo tempo que fornecem sombra aos veículos estacionados.

Notícia publicada originalmente no site do Planeta COPPE.